Uma versão

Será de sabiá o canto que ouço longe

Ou será ilusão da memória?

Mas sabiá foi calado, como os outros,

Pelo pranto da mata queimada.

Mata distante, fuligem na história.

Palmeiras rupestres sobraram.

Outra mata fechada floresce.

Caules finos, sem galhos, sem pousos.

Voaram todos, sem rumo, dispersos.

O silêncio quebrado por gralhas felizes.

Risadas secas, automáticas

Em torno da fogueira para a liberdade.

Não alucino, pois de sabiá é o canto…

Aninhado alto.

Talvez um idoso, talvez um relógio

Esse escape saudoso.

Da terra bela e suas palmeiras

Restam dúvidas cerradas e corvos.

Teriam mesmo sabiás havido?

Ou apenas devaneios de bem-te-vi engajados ?

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s