No começo era o caldo…

Um caldo espesso.

DNA melado

Escorre lento

Criando pais, filhos, parentescos.

Do mesmo caldo cozido no Tempo

Os trejeitos, as vozes, os talentos.

E

O olhar do avô,

A simpatia da avó

Um sorriso lembra o tio

Escondendo nos desvãos das gerações

O erro divino primeiro

Deus, O próprio, espelhado

No barro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s