Ser

um testamento, uma teoria, uma possibilidade passível de exclusão

Sou o que restou de ontem
quase igual
e pareço todo.
E pensar assim
sem qualquer resposta, apenas parte,
confirma ser eu apenas tolo.

Serei o que planejei
com a rigidez escrita de um lápis.
Ponta quebrada
em riscos frouxos .

O tempo em que vivo e vive ao lado
é de ordem limitada e desaparece
como câmera lenta, some,
em ângulos abertos.
Tempo tão lento que o presente se toca.
toco o momento.
Mudaria destinos.
Sou brevidade do tempo;
pronunciado e não mais sou
nem saberei para onde fui,
mesmo querendo estar
perdido na ilusão de ser.
Tenho ou sou um corpo e umas ideias.
Tudo isso sou eu
Tudo o que sou ou tenho ou penso
Traduz-se em vazio ou delírio imenso?

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s