Desatracar

O barco se agita sob nuvens adiadas
Lembranças e cartas jogadas ao chão
Um pensamento que afoga sabe:
O falso norte já não há.

Raios esquecidos adormecidos.

Ondas maciças até então sonolentas
Vento de aço onde sopro havia
Pressionam as fibras de músculos profundos
Que rangem surpreendidas.

Constrangem o barco a velejar.

O mar deixado às costas havia tempos
Tem os perigos de terras distantes.
Rotas diversas traçadas e puídas
No interior escuro sem rumo.

E assustam!

O barco imobilizado cativo
Em porto de falsas marolas
Solta-se sob a fúria de motim
Empina emborcado e rola.

Quase afunda! Quase afunda! Quase!

O que sobra, travas soltas e náuseas
Rasteja para além do caos e da dormência.
As incertezas desnudadas na tormenta
Agora são perspectivas de paz.

Barco livre! Só rumar! Saberá?

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s