Oração dos Bichos

 
Ó senhor que não vejo
Mas que arde em mim.
Sabedor de meus limites,
Demando urgente serafins.

Nestas terras esquecidas,
Um mais poderoso insiste
Com suas falas arruinadas,
Por tiros, facas e tolices.

Dignos em nossas vidas,
Seguimos as regras do jogo.
Matamos limpo e o necessário,
Eventualmente por defesa ou gozo.

Rogo ao senhor que pressinto,
Dê a todos justo quinhão.
Mas a corrente se partindo,
Milhares perecerão.

Pois entre aqueles se espalha,
O gosto de destruição.
Um ódio compulsivo que mata,
Pra acalmar o coração.

Imploro, ó senhor que desejo
Sua existência a nos salvar.
Há uma espécie louca e solta,
Que nos constrange muito além de matar.

 

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s