O Gigante e Seu Jardim

Do longínquo extraordinário
O gigante se aproxima.
Seu lampião de cor intensa
Na emenda das conchas
Entrevisto em longas trincas.

No oriente imaginário,
Nosso fogo logo pleno
Faz a noite evaporada e,
Onde o corvo dominava,
Longe vão os pesadelos.

Atrás de olhos vermelhos,
Úmidas cores acordadas
Brilham luz de outro mundo.
O pêndulo em crescente,
Na estufa transparente,
Aquece a vida que agradece.

Mas, às vezes de mau humor,
Sua fornalha incandescente
Resseca sonhos e futuros.
Maldizendo sua existência
Apela-se à mágica instância,
Com desejo de cegá-lo.

O gigante indiferente
Irriga intensamente este lado.
E nenhum pouco cansado
Vai regar outra metade.
E seu jardim, ora aquecido ora resfriado,
Vai girando, vai girando
Com muitas formas de viver,
Ora crescendo, ora morrendo.
E, sempre girando, girando…
Até os sentidos encerrados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s