O Gato

Pela casa deserta
Suave anda, soberano.
No silêncio cismado
Ignora se é preto, branco, malvado.

Intimidade medida,
Olhos longos em atenção.
Se contorce sedutor
A cauda em exclamação.

Amigo sempre fiel
Dos velhos, dos sem solução.
É companhia calada
Em solidária solidão.

Bicho suspicaz
À magia, é afeito.
De bruxas ou de druídas
Conseguiu tantas vidas.

Com fleuma felina,
Espreguiça com lambidas.
Atente aos limites,
Ou se torna ferina.

Fique o gato em seus mistérios.
Assim como os humanos
Passam o tempo acreditando
Em outra vida mais feliz.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s