Farelos

No meio da noite,
Nossos corpos que se aquecem.
Nas mãos, prazer tinto.

Seus olhos escuros,
Brilham! Pensamentos sujos.
Ardil sedução.

A flor sem perfume,
Apenas o quê se vê.
Exposta verdade.

Enquanto te espero,
Uma infância grita ao lado.
Sou eu ou você?
Agora te vejo,
Espinhas, barba, silêncio.
Crescidos ao lado.
A beleza sumiu,
A graça acabou,
Ficou a carcaça
Do amor que se perdeu.
Os dias se copiam;
Vazios, cheios de sol.
Noites de muitas luas
Sempre novas

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s