Degrau

Desço um degrau.
O passo não resiste
ao que é natural.

Um passo pra baixo
suave e esperado.
Uma curvatura no olhar
avistam os pés.

Atrás, uma escada sem início
cheia de falhas, degraus perdidos.
Tempo esquecido, pés cansados.

Sorrisos marinados
em risadas amigas
falas íntimas humanas
como se minhas.

Preenchem vazios.

Desço um degrau.
Desconheço a inclinação.
Desço.
Como programado.

Sem ilusão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s