Amostra do Mundo

Da janela, o mundo.
vejo sua tampa azul
com manchas brancas mutantes.
Nos morrinhos suaves à frente
Um tumor concreto progride.

Camuflado no mato, o dinossauro metalizado
com piches de modernidade, urra e assusta.
O rio decepciona em sua veste marrom .
O rio cremoso revela o desprezo humano.
Para onde foi o azul da água desenhada?

Essa janela, um pixel,
Moldura de meu pensamento
que hesita entre o rio e o azul;
fluxo imóvel.

Os iludidos fazem proselitismo:
Experimente da ignorância!
Basta festejar, sempre!
E repetir os pensamentos.

Em Aldebarã não há o nosso tempo,
menos ainda nossa filosofia.
Aldebarã massacra nossos deuses, nossas dúvidas
e se realiza na solitária existência.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s